11 de fevereiro de 2016

Gn. 5.24 - Enoque andou com Deus

Olá amigos, 

Escrever sobre Gênesis é muito especial, pois é o começo de tudo: da raça humana, da criação de todos os seres vivos, das cidades, da história da salvação! 

Percebemos nos primeiros capítulos, a criação, a queda e o primeiro assassinato da história humana, entre Caim e Abel, fato que inaugura duas cidades, segundo Agostinho. 
Caim faz do seu pecado tramitado e julgado fonte de energia para a criação de cidade, baseada no medo e violência e sem fazer menção ao Deus de seus pais.
Já no Capítulo 5 é mostrada a genealogia da família de Sete, filho que Adão (o designado) para ocupar o lugar de Abel (vv.4.26), assassinado pelo seu irmão. 

Isso mostra como estudar genealogia não é desnecessário, mas fundamental para dar testemunho do lugar do homem na criação e do estudo antropológico. 

Então, em primeiro lugar, podemos constatar:  
1.1- O homem como coroa da criação:
2.1- O homem sendo diferente dos demais seres vivos existentes (pensamento);
3.1 - O homem sendo criado a imagem e semelhança do criador;
Segundo, a partir da linhagem de Sete:
2.1 - O homens começam a buscar a Deus;
2.2 - Deu rumo à vida de Noé, de onde vem Abrão (depois Abraão);
2.3 - No meio do caminho nos surpreende com o homem chamado Enoque.
E em terceira análise, vemos a entrada do pecado e o contraponto com a vida de Enoque, cuja morte foi fadada ao fracasso:

           3.1 - Passadas 7 gerações de Adão (filhos de Caim), o homem foi capaz de expulsar Deus de                seus ensinamentos e produz cultura com Jabal (agronegócio); Jubal (Músico) e Tubalcaim                  (Secretário de Segurança).
3.2 - Enoque foi retirado, não viu a morte; 
3.3 - Mesmo passadas 7 gerações pela linhagem de Sete, a morte não pode ter domínio sobre o homem. O requisito para que a morte não tenha domínio sobre os homens é de fato retomar o relacionamento com Deus, através da pessoa de Jesus.
Enoque andou com Deus e não foi mais visto. O verbo "andar" no original tem significado mais usual como "intimidade". Andar é a atividade instintiva do homem (espécie), é caminhar, se equilibrar em suas pernas. Ora, a bíblia é maravilhosa! 

Mas como tenho intimidade com Deus?   

1 - Conhecer com quem vivo e convivo

É o princípio de uma relação, seja ela qual for. Conhecer e prosseguir em conhecer, como diz  o profeta Oséias no capítulo 6.3. 
O homem é ser um relacional, Deus disse que não seria bom que homem ficasse só. No contexto bíblico, todo relato de conhecimento está mais atrelado a experiência contínua do individuo em contato dentro da relação, do que um mero conhecimento intelectual/conceitual e teórico. 
É possível termos conhecimento teórico e intelectual sem ter uma relação íntima de dia a dia com Deus. Essa relação será sempre uma muleta existencial, pois quando precisar de algo espiritual você retira da sua mente um verso, ou mesmo um oração pronta, que lhe traga refrigério para alma. 
A proposta de Deus é tomar todo nosso tempo e nosso ser desejar tê-lo, pois ele não só é o suficiente, é o mediador (único meio de tornar essa relação com Deus possível) da aliança, O Deus que vai contigo onde o GPS não pega, que senta a mesa do café e não só dá o pão, como abre seus olhos!

2 - Viver com Ele
Daniel conversava com Deus três vezes por dia, mesmo na Babilônia. O ambiente não faz o crente, mas o crente faz o ambiente! Somos por instinto chamados a nutrir um relacionamento com Deus, assim como é vital se locomover com suas pernas (caminhar). Viver, portanto, não será um acúmulo de fotos postadas como nas redes sociais, mas ter a certeza de que não preciso que ninguém veja minha "face", porque ela está sendo apreciada por aquele que realmente importa, que me criou. 

3 - Toda relação precisa de investimento
Quando usamos a linguagem do capital, todos prestam a atenção porque acham que podem fazer negócio com Deus, e de certa forma assim é fácil falar a cultura. Mas,  investimento com Deus é diferente. A oração, por exemplo, é um tipo de investimento precioso, não só porque ela pode mudar situações, mas é nessa conversa com Deus que temos a oportunidade de sermos moldados conforme seu caráter. 
Só ora de verdade aquele que acredita que Deus existe. Só ora aquele que crê que está falando com Deus. Só ora aquele que lê a bíblia. Só ora aquele que reconhece sua pequena condição humana,falha,pecaminosa,carente,insubordinada,carnal,incapaz de qualquer bondade.
Por isso que oramos, para que de alguma forma nossa antiga natureza seja revestida pela nova natureza. Caso contrário, vamos gemer angustiados, depressivos. 

Implicações Práticas

1 - Preciso conhecer mais a Deus, a ponto de agradá-lo;
2 - Preciso viver com Ele, para ficar mais parecido com ele;
3 - Preciso investir tempo com ele, para ele de fato me esvazie de mim, e me complete dele.

Soli Deo Gloria
Jessé Almeida.