11 de janeiro de 2014

Mateus 4.1-11

Irmãos queridos, hoje reservei para falar sobre a tentação do nosso mestre. Onde, logo após seu batismo por João Batista, a voz do criador (Deus Pai) se faz presente dizendo que Jesus é o filho amado em quem me comprazo.  Bem, essa reflexão se dará a partir da declaração de Jesus de refutação ao diabo, como assim. Ao perceber, o diabo, que o Pai tem prazer no filho, tenta fazer o mesmo que fez no paraíso com Adão e Eva, pegar as palavras de Deus e distorcê-las.

O que estava em jogo aqui não era mais comer do fruto, mas a história da redenção. Após 40 dias de jejum, nosso senhor foi tentado naquilo que Pai disse. E o próprio Espírito Santo o levou para ser tentado. Há uma diferença muito grande em ser tentado pela própria cobiça como diz tiago 1.13 e você ser levado pelo próprio Deus a ser tentado. Bem, aqui existentes duas palavras, tenteação e provação. A raiz dessas duas palavras no original são as mesmas, mas em seu contexto elas podem mudar o sentido. Ficarei com provação, nosso Senhor é provado no que tange a sua própria condição, Filho de Deus. 

O inimigo diz: "Se és o filho de Deus...", e está com fome, transforme pedras em pães, ou seja, você já está 40 dias sem comer, o filho de Deus tem fome, e ele é provado naquilo que pode realizar. Queridos nós podemos negociar a mensagem quando temos fome, ou quando a comida diminui, podemos ser tentados a pregar um outro evangelho, mais comodo, para satisfazer nossa necessidade imediata, mas nosso Senhor responde com muita autoridade: "Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus", ou seja, o alimento do qual eu sobrevivo é aquele que emana dos céus. O diabo quis mostrar que o filho de Deus, talvez não teria disposição física para ser obediente, e também, querendo que Jesus colocasse fim a seu jejum e assim desobedecesse o Pai.

E ele insiste, e o leva ao pináculo do templo e diz novamente: "se és filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito, aos seus anjos darás ordem ao teu respeito". Aqui o desafio é outro, o desafio agora passar a ser sua divindade. A sugestão diabólica foi que certamente seria tolice para Jesus entrar no ministério com a perspectiva de possível fracasso. Por que então não obter prova mais definida da proteção do pai, criando uma situação em que fosse forçado a vir em ajuda de seu filho? Essa tentação se tornou atraente quando o diabo usa a bíblia, mais precisamente o salmo 91.11-12, mas ele cita a bíblia de modo equivocado, veja bem. Ele omite a parte final do verso "para que te guarde em todos os teus caminhos" depois de a teu respeito. A omissão destrói o fato original, que não estimula os fiéis a tentarem a Deus arriscando-se desnecessariamente assegurando-os, entretanto, de que Deus os mantará a salvo onde quer que seus caminhos os levem, desde que sejam à vontade divina.

E por último, o nosso Senhor é tentado a sem sofrimento, sem cruz, sem lágrimas , nem risco de vida, sob a simples condição de que Jesus lhe preste reverência. Esta era tentação para usar as armas diabólicas da crueldade, impiedade e poder numa arrancada desalmada na busca do domínio universal, ao invés de conquistar homens e mulheres através do sacrifício próprio, tornando-os, assim, voluntariamente súditos do reino de Deus. Porém a verdade de que o mal nunca poderá ser vencido pelo mal e o reino de Deus nunca se estabelecerá por meios satânicos, ou melhor, pelo jeitinho brasileiro. 

Soli Deo Gloria
Jessé Almeida