IdeFácil

31 de dezembro de 2010

Lucas 14.28

"Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar?"

No último dia do ano quero refletir com você sobre o texto que sempre retorna aos púlpitos estranhos sem uma aplicação correta das escrituras, sim esse mesmo que está aí em cima, que é citado sempre para as conquistas materiais, planejamento do ano seguinte e até mesmo para o chamado "culto da virada".  Logo após o relato de um igrejado, voltarei ao texto sagrado.

Relato de um membro de igreja

"Mais um culto da virada, ai meu Deus! Só de pensar me da náuseas ; dor de cabeça; vontade de acabar com o culto do "ego". É muito triste ver igrejas que valorizam datas cabalísticas, para colocar um pedaço papel em um cesto com a pretensão de que o Eterno vai se mover em favor desse ou aquele pedido. O pior que os dirigentes querem dar a impressão que a reunião realmente será de bons fluidos, lembrou da praia, né? 

O ser humano-crente ainda não se descobriu, ou melhor, é crente demais para encarar sua realidade. Ficar alegre com a data, até vai, agora esperar um futuro sem ter noção do presente, por conta de um papel no cesto dia 31 de Dezembro, às 23:50hs aí já é demais. É falta de entendimento e capacidade de raciocínio equilibrado.

Olha o exemplo das indagações e os escritos dos papéis:
- Ano que vem vou passar em um concurso (mas não fez nenhum esse ano, nem gosta de estudar);
- Ano que vem meu marido muda (mas não quer saber de onde é a falha para que possa reparar o erro, seja que natureza for);
- Ano que vem vou trabalhar mais e melhor (mas adora faltar o trabalho e pega mais atestado que outra coisa);
- Ano que vem vou casar (mas não começa a planejar nada, nem ao menos economizar para isso);
- Ano que vem vou crescer no emprego (mas não faz um curso de especialização na área).

Repito, assim acham que o sobrenatural irá se mover para resolver as questões humanas".

Vamos voltar ao texto bíblico, no evangelho de Lucas. O médico quer nos mostrar na parábola acerca da renúncia o que é ser seu discípulo, ou melhor, embora os discípulos não sejam crucificados, todos devem levar sua cruz e considerar a mortificação do pecado para ser discípulo de Jesus. 

Que busquemos no presente o Senhor Deus, para que o tempo não seja o senhor, um deus.

Soli Deo Gloria
Jessé Almeida.