IdeFácil

22 de agosto de 2010

A relevância de ser relevante



Olá meus irmãos!

Gostaria muito de deixar registrado somente biografias de pessoas realmente relevantes, mas o uso da palavra caiu em desuso. Muito se tem falado sobre o tema, ultimamente tem se tornado redundante, massificado e até mesmo enfadonho.

Congressos de relevância, reuniões de relevância, mas na verdade o evangelho nesse país ainda não foi encarado com relevância, porque os que abraçam o evangelho possuem seu padrão de moral irrelevante, ou seja, por não mudarem sua maneira de viver a partir do evangelho tem dificuldades extremas de por em prática.

Mas existe alguém que sem querer ser relevante, foi e continua sendo, simplesmente pelo fato de querer obedecer. Esse alguém você sabe muito bem, Cristo. Sendo de um lugar distante, filho de carpinteiro, homem (fisiologicamente), sem aparência, formosura. Podemos ver isso no texto a seguir na carta de Paulo aos Filipenses capítulo 2. Você lembra? Que ele não teve usurpação, ou seja, não quis agarrar-se ao direito de ser igual a Deus, que é relevante em sua essência, substância.

Então vemos que a questão é mais profunda, para que a igreja quer ser relevante? Se quem dá a relevância para a mesma, é Deus. Por nos amar primeiro e nos ressuscitar pelo espírito de vida, pois "...estavam mortos em delitos e pecados”, como diz o verdadeiro apóstolo, Paulo.

Portanto, meus irmãos, a relevância de ser relevante ainda é atentarmos para nossa condição  de pecadores diante de um Deus Santo, que por misericórdia, através da sua palavra torna a dar vida a homens como nós. Ainda mais, faz esse homem ver sua ressurreição e por conta dessa transformação de dentro para fora, reconhece que nada é, apenas pó. 

Soli Deo Glória 
Jessé Almeida.