IdeFácil

7 de setembro de 2009

Santificação - Andando rumo ao Eterno

Na primeira parte principal da carta, Paulo explicou a causa que o impediu de ver os Tessalonicenses. Agora na segunda parte principal passa escrever instruções que deveriam ser ditas oralmente. Trata em primeiro lugar dos problemas éticos e práticos da vida cristã (4.1-12). A seção inicial trata da necessidade de uma vida que agrade a Deus, que chamou seu povo para ser santo; em especial Paulo levanta a questão da imoralidade sexual (4.1-8). 
Verso 1 - Os dois primeiros versos são de caráter introdutório ao assunto supracitado, com um tom ético e exortativo.  O uso de irmãos” da início a uma nova seção e avança para uma seção mais doutrinária para suas conseqüências éticas e práticas. O advérbio “Finalmente” é estranho tendo em vista o capítulo 5 e usar finalmente, mas na realidade Paulo encerra a seção principal da carta (em grego Loipon – era usado pelos helenistas para introduzir uma instrução). O tom amistoso fica claro na inclusão de irmãos e os verbos rogamos e exortamos.
*Rogamos = é simplesmente pedir;
*Exortamos = encorajar;
O pedido de Paulo é firmado no Senhor Jesus, construção que envolve o Senhor por de trás de seus ensinos.  Pensando logicamente naqueles que estão no Senhor.


Parafraseando:
“Nós o encorajamos, assim como aprendeis a viver, vivam”

Verso 2 - Antes de passar a explicar quais os mandamentos quer que seus leitores cumpram  piedosamente,  Paulo faz uma pausa para lembrá-los que sabem o que será dito. A forma ”estais inteirados”  deixa bem claro que é algo que foi dito anteriormente.  O termo instruções”  tem uma ligação muito forte de cunho militar, refere-se a ordens específicas que Paulo associa ao evangelho. A intenção é mostrar que o Apóstolo recebeu de Deus essa incumbência para ser porta-voz D’ele, dando assim seus santos preceitos para sua igreja.

Verso 3 - Agora ele passa explicar as instruções sobre como os irmãos deveriam agradar a Deus. O “pois” inicial produz uma razão e uma causa.  Paulo ressalta o fato de seus leitores atentarem para vontade de Deus e realizá-la. Paulo explica que é a SANTIFICAÇÃO = processo ativo que leva ao estado da santidade, que é o alvo da vida cristã.  Aqui há uma retomada do pensamento ético descrito anteriormente. 
Sendo o assunto santidade podemos a priori pensar em vários aspectos que já foram descritos, como amor aos irmãos, se olharmos de maneira positiva  e negativamente contra o pecado.  Paulo passa expor o que a santidade envolve, vários aspectos, mas aqui ele salienta a “prostituição” , ou melhor imoralidade sexual.
A palavra grega pornéia, traduzida por “prostituição”, significa pecado sexual, relações sexuais ilícitas, atividade sexual ilícita. Howard Marshall ensina que o termo pornéia refere-se a todas as relações sexuais fora daquelas que ocorrem dentro do relacionamento do casamento. Paulo tem em vista tanto o sexo antes do casamento quanto o sexo fora do casamento, tanto a fornicação quanto o adultério.

Verso 4 - Nos versos 4 e 5 há uma explicação mais positiva o que quer dizer abster-se da imoralidade, a fim de terem uma ação de evitarem o pecado.

Pasafraseando:
“E que cada um saiba obter esposa (o) para si mesmo”



Verso 5 - O contexto para aplicação mais apropriado é para o controle do impulso sexual em geral do que para a vida conjugal em particular.
Verso 6 - Parafreaseando:
“Que ninguém tire vantagem (quanto a pecar sexual com ele) do irmão por saber que ele está em desacordo com a doutrina que dantes expôs no meio de vocês, pois quem está vendo é Juiz sobre todas as coisas, e sabe todas elas e dará a recompensa de todas as coisas”.



Verso 7 - A chamada de Deus é de viver uma vida digna do seu nome Santo, Santo, Santo...
A interpretação é mais ampla a impureza aqui é estado dos não-convertidos (gente que não conhece a Deus e seus propósitos) santificação aqui deve ser entendida como parte ativamente de Deus. Portanto, tal comportamento já está implícito o não conhecimento de Deus.

Verso 8 - A conclusão de Paulo nessa seção é entendida com a palavra Dessarte” = argumento lógico. Se é Deus quem nos chamou de modo que possamos ser santificados devemos considerar valiosíssimo o que foi dito, não é desrespeitar o homem, mas sim a Deus. E nos lembra que o fato de Deus nos dá o seu espírito de maneira gratuita, nos assegura essencialmente caráter santificador, pois somente ele pelo seu espírito pode santificar o homem.
Na semana que vem estudaremos sobre o trabalho em uma perspectiva reformada, ainda o capítulo 4.9-12.  
Soli Deo Gloria
Posted on by Jesse Almeida in