IdeFácil

28 de maio de 2010

4° dia - Semana Teológica - Crise Doutrinária e Interpretação e Pregação

Bem amigos do blog! Bom dia! Como deixei registrado anteriormente essa semana teológica tem sido demonstração do derramar de Deus sobre as lideranças presentes. Ontem tivemos a participação do professor Luiz Alberto Teixeira Sayão é lingüista e hebraísta (mestrado pela USP), tendo lecionado Hebraico Bíblico e outras disciplinas da área bíblica no Seminário Servo de Cristo (onde atua como diretor acadêmico), na Faculdade Teológica Batista de São Paulo, no Seminário Teológico Young San (coreano) e no Gordon-Conwell Theological Seminary (Boston). Foi coordenador da Tradução da Nova Versão Internacional da Bíblia. Foi editor acadêmico das Edições Vida Nova, e consultor teológico da Editora Vida. Recebeu o prêmio de personagem literária da ABEC em 2003. Recentemente Sayão coordenou a Versão Almeida Século 21 e está coordenando a Bíblia Brasileira de Estudos (Ed Hagnos). Foi o editor e criador dos projetos: Novo Testamento Trilíngüe do Novo Testamento Esperança e Antigo Testamento Poliglota. É autor de Cabeças Feitas e de NVI: a Bíblia do Século 21. É pastor da igreja Batista Nações Unidas, no edifício do WTC de São Paulo.

Sua palestra trouxe muito conteúdo, porém com muita praticidade, dando movimento e flexibilidade com dose de humor. Primeiro ponto abordado pelo professor foi a crise doutrinária estabelecida por uma visão equivocada da própria doutrina, ou melhor, quantas vezes já ouvimos que a Teologia atrapalha a fé; É irrelevante, pois o que me ajudará saber a trindade, se estou fazendo comida para meus filhos irem ao colégio (é irrelevante, pois não atende as necessidades básicas e práticas); Alegria da ignorância (é melhor não saber, pode acabar agente não crendo mais); por fim a era pós-moderna em que vivemos. Segundo Zugmunt Baumam é a modernidade líquida ou fluída, onde os relacionamentos, os compromissos são superficiais. A modernidade contribui para crise doutrinária, porque o homem agora pode desligar suas relações assim como desliga seu computador. E nós precisamos dar um resposta contextualizada que requer preparo (queimar o cérebro). 

Segundo ponto exposto pelo professor há um desequilíbrio de três colunas essenciais para a vida do intérprete são eles: 1ª - A teologia Catafática (doutrina); 2ª - A Teologia Apofática (Mistério) e a 3ª Teologia Pietista (Devocional). OK! Vamos por parte 1 - Doutrina = (do grego katafatikos - positivo, afirmativo) formula uma ciência sobre Deus para a qual - na sua própria convicção - encontra apoio nas fontes da teologia e também na razão humana; 2 - Mistério = (do grego apofatikos - negativo), chamada teologia negativa, baseia-se na premissa de que só podemos falar corretamente de Deus negando, dizendo que ele não é por exemplo como nós, que não é limitado por qualquer coisa, que não se submete às categorias humanas de pensamento, etc...; 3 - Devocional = é a experiência do crente com Deus, sua condição de pecador e o caminho para sua salvação. 

Perceba que o desequilíbrio de umas dessas colunas pode agravar em sério riscos para a interpretação bíblica. Vejamos: Se o camarada for muito doutrinário, sua oração ou vida devocional será estranha; Se ele for muito "misterioso" ele pode afirmar coisa que nem o próprio Jesus falou; Se ele ficar muito na contemplação vão vir as heresias. Ex.: "Os Mómons".

O terceiro ponto e o mais legal é o da escatologia. Segundo a Prof° existe a tensão do "já" e "ainda não", o que seria isso? Na década de 80 nós vamos lembrar dos movimentos do "Jesus voltará em 2000", enfim, ele vem... Mera semelhança aos cristãos tessalônicos, Jesus vai voltar para que trabalhar. No livro "Diálogos criativos" pude ver um diálogo entre um ateu e religioso (Domenico da Masi [sociólogo italiano] x Frei Beto[frade dominicano]), onde o ateu a todo momento com seu argumento coerente que os cristãos creêm na vida após morte, por conta disso abandonam sua natureza terrena, enquanto isso Domenico (ateu) diz: "Sei que só tenho essa vida e quero contribuir com minha raça".Nas questões sobre pós; pré; meso-tribulacionistas a bíblia não tem nenhum texto fechado que dê margem para tal corrente, mas se assumirmos uma corrente teremos que mudar toda nossa percepção dos outros textos onde já houve esclarecimento.

Já está acabando, leia será de grande valor. Logo em seguida foi dito que a teologia quando depende da filosofia causa ruptura de seus pressupostos espirituais (Filosofia = Iluminismo / Platão = Descartes). 

Finalmente, o precisamos de uma teologia contextualizada. A teologia tupiniquim não existe é mistura da Medieval-Européia-Americanizada-Evangelicalista-Fundamentalista-Judaizante-Neopentecostal. A falta de conhecimento história do seu país (nós cristãos tem amnésia espitual) quem somos? Quem precisa ouvir a mensagem? Quantas etnias estão sem bíblia na sua língua?

Aqui vai algumas frases da noite:

"Enxergar a realidade, voltar-se para a escritura, reconhecer que é necessário a ajuda de Cristo pra entender e propagar a palavra"

"A Bíblia não é um conjunto de conceitos abstractos atemporais"

"Leitura literal, histórico gramatical: o texto tem um sentido, aquele que o autor quis dizer quando o escreveu!"

"A revelação Bíblica é progressiva, ela não se nega, não se contradiz, só se completa!"

"Não existe uma nova revelação, tudo está revelado na Bíblia. O Espírito Santo remove bloqueios e lança luz sobre a palavra JÁ REVELADA"

"O intérprete da Bíblia deve conhecer o contexto do texto apresentado, não ter preconceito, ter empatia e depender do Espírito Santo"

"Igreja Emergente: trata a realidade da Igreja num mundo pós moderno"

"Enquanto em vários países do mundo não se acredita em nada, no Brasil existe a fé e o respeito ao sagrado: Brasileiro acredita em tudo"

Soli Deo Gloria
Jessé Almeida